Brutal ou progressiva, a perda de cabelo, medicamente chamada de “alopecia”, costuma ser motivo de preocupação. Quais causas? O que fazer em caso de alopecia? O que comer? Todas as dicas com um dermatologista.

Como o cabelo cresce?

Todos os seres humanos perdem os cabelos durante a vida; este é um processo normal. “O capital capilar diminui ao longo da vida. Assim, uma mulher de 60 anos tem metade do cabelo que tinha aos 15 anos”, explica Jean-Luc Rigon, dermatologista. Um cabelo não vive a vida inteira de um indivíduo, mas tem um ciclo de vida de 5 anos; após o que ele morre e cai. Cada folículo piloso tem até 20 ciclos capilares. Portanto, não se preocupe muito com queda de cabelo: ele será substituído na maioria das vezes. 

Ao longo da vida, 20 a 30 ciclos capilares estão ligados. Cada ciclo consiste em 3 fases:

Primeira fase: o cabelo cresce
Durante a fase anágena, o cabelo está crescendo. Em média, crescem 1 cm por mês. Mas existem variações dependendo do sexo (o cabelo das mulheres cresce um pouco mais rápido que o dos homens) ou da estação (o cabelo cresce mais rápido no verão que no inverno). A duração da fase anágena também varia com o sexo: dura de 4 a 6 anos nas mulheres, em comparação com 2 a 4 anos nos homens.

Segunda fase: o cabelo para de crescer
Durante a fase de catágena, que dura 3 semanas, o cabelo para de crescer. Isso ocorre porque o folículo piloso que envolve e nutre a raiz do cabelo não está mais ativo.

Terceira fase: o cabelo cai
Durante a fase telógena, o cabelo na fase de crescimento cresce gradualmente em direção à superfície do couro cabeludo, o cabelo cujo crescimento é interrompido. Assim, o cabelo morto é substituído por um cabelo novo. Esta fase da perda de cabelo dura 1 a 3 meses. 

O número de pêlos que crescem é sempre muito maior do que o número de pêlos que caem : a qualquer momento, aproximadamente 80 a 85% dos pêlos estão na fase anágena, 1 a 2% na fase catágena e 15 a 20% estão na fase fase telógena. 

O que é alopecia?

Às vezes, a perda de cabelo acelera e não é mais compensada pelo crescimento proporcional: isso é chamado de alopecia, porque o cabelo fica extraordinariamente fino. “Estima-se que uma perda de mais de 100 cabelos por dia durante um longo período (vários meses) seja uma perda anormal”.

Alopecia androgenética ou “calvície”

Calvície ou alopecia androgenética é uma queda de cabelo. Está localizado na testa nos homens e mais difuso nas mulheres. Ao contrário das quedas sazonais que são repentinas, essas alopecia são progressivas. As causas são hereditárias e hormonais. Assim, alguns cabelos sendo anormalmente sensíveis aos hormônios masculinos, são renovados cada vez mais rapidamente e as fases de perda aceleram. Falamos mais frequentemente de alopecia masculina.

Teste de tração

Um teste simples permite que você saiba se a perda de cabelo é realmente anormal: o teste de tração. “Você precisa passar as duas mãos pelos cabelos, afastando os dedos como um pente grande. Se, no total, restarem mais de 20 cabelos entre os dedos, o nível de perda será anormal”.

E se você quer conhecer algum suplemento que ajude com a queda de cabelo conheça FollicHair.

Causas

Perder o cabelo no outono, primavera

O outono e a primavera são bons tempos para queda de cabelo. “Todos os animais peludos, incluindo os humanos, mudam na entrada e na saída do inverno. Em setembro-outubro, muitas pessoas vêm consultar porque estão preocupadas com a perda de cabelo. … No entanto, é bastante normal nesta época do ano, mas a falta de moral, que se instala durante a passagem para a estação ruim, aumenta a preocupação “ , tranquiliza o Dr. Rigon.

Dieta

Uma dieta muito rigorosa também pode ser a causa da alopecia. “Os tecidos do corpo que se renovam mais rapidamente são os mais afetados por essa dieta. No entanto, o cabelo se renova muito rapidamente”.  Essas dietas podem causar deficiências, responsáveis ​​por queda de cabelo acelerada (deficiência de zinco, deficiência de magnésio ,  deficiência de cálcio  e especialmente  deficiência de ferro ).

Estresse, depressão causando alopecia areata

Estresse e depressão são outra causa possível de alopecia. Eles podem ser a causa da alopecia areata , que é uma forma particular de perda de cabelo ou descoloração , porque os cabelos grisalhos caem por último. “Foi o caso de Maria Antonieta, cujos cabelos ficaram brancos no dia anterior à sua execução.” Existem outras causas de alopecia areata, principalmente no caso de problemas dentários.

Queda de cabelo na infância

Nossos cabelos caem e são substituído constantemente. Entretanto, muitas pessoas enfrentam uma queda demasiada que, se não for tratada, pode levar à calvície, um problema que atinge não só os adultos, mas também crianças.

Já nas primeiras semanas de vida, o bebê pode ter queda de cabelos difusa ou localizada. É um quadro transitório que não precisa de tratamento. Segundo Ademir Jr, especialista em tricologia (medicina capilar), as causas de queda de cabelo infantil, ou seja, em pessoas de até 12 anos, são inúmeras. A maior parte dos casos, felizmente, já tem tratamento eficaz.

O incômodo é maior em crianças acima de 8 anos, pois mexe com sua vaidade e até mesmo com a auto-estima. Nas situações mais graves, elas podem até ser atingidas por estados depressivos. Quando surge a primeira indicação de queda excessiva de cabelo, é aconselhável levar a criança a um dermatologista.

Segundo Ademir Jr, os possíveis motivos que ocasionam a queda de cabelo infantil estão relacionados a distúrbios de comportamento, infecções, ansiedade e estresse.O tratamento varia de acordo com o quadro do paciente e a medicação a ser ministrada depende do motivo que leva ao problema. “Psicoterapia e uso de reguladores de humor podem ser necessários quando a criança está ansiosa ou irritada. Tratar infecções também quando estas foram as causas da queda capilar. Uso de vitaminas para o crescimento dos cabelos e loções tônicas para ajudar no desenvolvimento dos fios e complementam o tratamento”, explica o médico.

Leia também: queda de cabelo masculino

O caso mais grave de queda de cabelo é a tricotilomania, o hábito de puxar os fios. O especialista afirma que esse mau costume pode levar o paciente à calvície. “Se não medicada de forma rápida e efetiva, o paciente pode ter rarefação na área acometida, por conta da perda dos folículos de cabelos que foram arrancados”, afirma.

Na alopecia areata (perda de cabelo localizada) o risco é a perda de áreas extensas de cabelo com dificuldade de recuperação dos fios nestes locais. O tratamento é feito à base do uso de vitaminas para o crescimento dos cabelos e loções tônicas para ajudar no desenvolvimento dos fios.

O médico alerta que os pais devem ficar atentos nas modificações na quantidade de cabelos das crianças e no aparecimento de áreas calvas no couro cabeludo. “Ao apresentar qualquer sintoma de perda localizada ou áreas calvas é necessário procurar um dermatologista”, ressalta, complementando que se o tratamento for iniciado precocemente, o comprometimento será menor e os resultados ser mais efetivos.